segunda-feira, 24 de julho de 2017

Jardim dos Fugitivos



Decorria o ano 79, quando
Um vulcão entrou em erupção
E aniquilou 500 anos de civilização
Devastando a sua História
Até não poder ser reescrita
Sem o seu nome grafado na mesma.

Ele acorrentou-Te
No seu peito
E deixou-Te suspensa
Na ponta dos seus dedos
Para que a Tua garganta
Estivesse sempre engasgada
Nos fumos que sopravam da sua boca
E na lava que escorria das suas entranhas.

Tu, jamais esquecerás o seu holocausto na Tua pele.
Ele, jamais recordará outra coisa qualquer.

4 comentários:

  1. O vulcão acalmou e tudo aquilo que parecia devastado continua aí. Foi reencontrado, agora é apreciado e admirado, se calhar muito mais do que era antigamente. Vesúvio aparentemente destruiu, mas o que naquela altura foi uma tragédia, hoje é uma bela marca, eu diria que é um dos sinais mais belos que tem o corpo de Nápoles.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por muito intensos que sejam os sonhos, a sua beleza é a razão pela qual se recusa a adormecer definitivamente.

      Eliminar
  2. ...momentos cravados na Alma!
    Beijo daqui até aí ;)

    ResponderEliminar